Botas Salto Agulha

Botas Salto Agulha

domingo

Considerações de Lorenz Marti

Para uma vida plenamente realizada o passo deve ir além do Ego, a doação deve ser algo maior. Não preciso com isso perder a noção de mim mesmo. Mas preciso parar de olhar apenas para mim mesmo.[...] Pois enquanto eu me considerar como ponto central, deixarei de ver o verdadeiro centro. [...] O mundo não gira ao meu redor, existem dimensões que me ultrapassam.

Deveríamos sempre tentar nos lembrar que as nuvens não são o céu. As nuvens se formam e se desfazem depois. Suas formas e cores se modificam. Em sua impermanência e ausência de estabilidade elas são um reflexo da própria vida.

Quando não olho com bastante consciência, perco o espetáculo único deste céu crepuscular, que só se mostra aqui e agora. O futuro nada é além de uma efêmera fantasia. Só este momento agora é verdadeiro. Não posso liquidá-lo, mas posso me impedir de vê-lo total e plenamente.

Fico assustado com a suposição de que muita coisa na minha vida é apenas um mal necessário, com o qual lido com a mesma negliência com que lido com uma porta.




Wasted Years

(Iron Maiden)
From the coast of gold across the seven seas
Im travellin on far and wide
But now it seems Im just a stranger to myself
And all the things
I sometimes do
It isnt me but someone else
I close my eyes and think of home
Another city goes by in the night
Aint it funny how it is,
You never miss it til its gone away
And my heart is lying there
And will de til my dying day
So understand
Dont waste your time always
Searching for those wasted years
Face up... make your stand
And realise you're living in the golden years
Too much time on my hands,
I got you on my mind
Cant easy this pain so easily
When you cant find the words to say
Its hard to make it through another day
And it just makes me wanna cry
And throw my hands up to the sky

Coisas que Eu Sei

Compositor: (Dudu Falcão)


Eu quero ficar perto de tudo o que acho certo até o dia em que eu mudar de opinião.
A minha experiência, meu pacto com a ciência, meu conhecimento é minha distração.
Eu adivinho sem ninguém ter me contado.
O meu rádio relógio mostra o tempo errado, _ aperte o play.
Eu gosto do meu quarto, do meu desarrumado. Ninguém sabe mexer na minha confusão.
É o meu ponto de vista,
O medo mora perto das idéias loucas.
Se eu for eu vou assim, não vou trocar de roupa.
É minha Lei, eu corto os meus dobrados, acerto os meus pecados,
Ninguém pergunta mais depois que eu já paguei.
Eu vejo o filme em pausas,
Eu imagino casas,
Depois eu já nem me lembro do que eu desenhei.
Não guardo mais agendas no meu celular, eu compro aparelhos que eu não sei usar.
Ás vezes dá preguiça, na areia movediça, quanto mais eu mecho mais afundo em mim.
Eu moro em um cenário do lado imaginário,
Eu entro e saio sempre quando eu tô afim.
As noites ficam claras no raiar do dia.
Coisas que eu sei são coisas que antes eu somente não sabia...
Agora eu sei!


Oração de São Francisco



Senhor;


Fazei-me instrumento de vossa paz!

Onde houver Ódio, que eu leve o Amor;

Onde houver Ofensa, que eu leve o Perdão;

Onde houver Discórdia, que eu leve a União;

Onde houver Dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver Erro, que eu leve a Verdade;

Onde houver Desespero, que eu leve a Esperança;

Onde houver Tristeza, que eu leve Alegria;

Onde houver Trevas, que eu leve a luz!


Ó Mestre!


Fazei com que eu procure mais

Consolar, que ser consolado;

Compreender, que ser compreendido;

Amar, que ser amado.


Pois é dando que se recebe,

É perdoando que se é perdoado,

E é morrendo que se vive

para a Vida Eterna!

domingo

Caminhe!

Aprendi que cada passo nesse caminho tem o seu significado, que num certo sentido o próprio caminho já é o objetivo.
Com o passo leve vá adiante, para se deixar surpreender com o que vem ao seu encontro.
Caminhar verdadeiramente vazios nos liberta, porque precisamos apenas do necessário. Juntar coisas, segurar e agir muito só torna o nosso caminhar mais pesado.
O não saber depois da viagem é diferente do que aquele de antes.


Crica Fonseca
*Considerações sobre o livro Como um Monje Amarra seus Sapatos/Lorenz Marti

sábado

Conversando com Adultos

Sexualidade na Infância e na Adolescência
(Autora: Crica Fonseca)

Falar sobre Sexualidade atualmente é muito mais que responder perguntas embaraçosas de nossas crianças, orientar sobre métodos contraceptivos e dar aula de anatomia para adolescentes durante o período letivo. É preciso compreender a complexidade do desenvolvimento físico, emocional, sociocultural, e principalmente, como as experiências vividas por cada indivíduo influenciam no seu comportamento sexual. A vivência da sexualidade depende de um conjunto de fatores que mesmo quando são comuns a um determinado grupo não é interiorizada subjetivamente da mesma forma por todos. A permissividade, a proibição, a afetividade, as regras de comportamento moral e religioso, o histórico familiar, o acesso às informações e critérios de orientação sexual são influenciados pela diversidade e a pluralidade nas relações. E o que fazer quando pessoas diferentes precisam conviver com um tema tão polemico? Aceitar a possibilidade da diferença, seja ela qual for, já é um primeiro grande passo.

A qualidade da informação obtida sobre o tema é uma outra barreira a ser derrubada. Existem vários mitos, crendices e dúvidas que os próprios adultos carregam ao longo da vida e direta ou indiretamente passam para as crianças e adolescentes. Estes pequenos acabam se deparando com um material fantasioso e não correspondente às necessidades deles, o que faz com que eles procurem alguma outra resposta em fontes menos confiáveis. O conhecimento sobre o assunto não se dá por especulação. Portanto; leia, pesquise, pergunte e procure fontes seguras para entender o que já foi descoberto pela ciência médica, comportamental e social. Busque também as leis estabelecidas no país para controlar abusos e, principalmente, preservar os direitos da criança e do adolescente.

Incite a dúvida, tenha abertura para conversas informais, realize projetos e campanhas, escreva informativos e não torne o sexo um tabu. Mais cedo ou mais tarde eles entraram em contato com isso, é melhor que seja feito de forma natural porque isso é efetivamente inato ao seu humano. A curiosidade e o interesse surgem aos poucos, converse aos poucos também. Fale sobre isso com crianças e adolescentes, veja que eles podem conversar de forma madura sobre o tema quando o adulto se coloca de forma consciente e tranqüila. Aproveite situações inesperadas para avaliar e orientar aqueles que estão entrando em contato pelas primeiras vezes com algo que fará parte do resto da vida deles.

Não se esconda ou passe a responsabilidade para os outros, tenha boa vontade! Aprenda a lidar com isso de forma leve, mesmo que nunca ninguém tenha lhe ensinado antes. Como adulto você pode aprender sobre o assunto e melhorar muito suas relações. Busque também as suas respostas e tente entender porque determinados assuntos lhe incomodam tanto. Será que o problema não está em você? Por que é tão difícil falar sobre sexo? Como você obteve informações sobre Sexualidade Humana? Quais são seus conceitos e preconceitos? Você tem direito a interiorizá-los a sua maneira, mas não pode negar que pensamos e agimos diferentemente. Você tem respeitado o outro _criança, adolescente ou adulto, como ele realmente é? Ou tem tentado impor suas vontades e necessidades àqueles que convivem com você? Do que você tem medo?

Estabeleça regras claras para a convivência social, crianças e adolescentes se sentem mais seguros quando se percebem amparados por comandos diretos e justos. Desenvolva seu bom senso, questione-se e coloque-se no lugar daquele que deve obedecer a sua ordem. Seja coerente e cumpra os “combinados” /acordos para que se possa exigir o mesmo deles. Isso vale para todos os grupos de convivência, desde a família até a escola. Respeite, evite brincadeiras de mau gosto sobre o tema. Não desmereça o sofrimento, mesmo quando lhe pareça ingênuo e tolo. Cuide da sua postura enquanto pai, professor, educador e/ou qualquer outro papel de “cuidador”, zelando pelo respeito mútuo.

O adulto na maioria das vezes é um modelo para os mais novos, sentimentos ambíguos podem surgir como o de amor e ódio. Assim eles vão montando o quebra-cabeça na formação de sua personalidade. Alguns comportamentos e valores serão imitados, outros aversivos. Você já se deu conta do quanto você é importante para seu filho (a), seu aluno (a), seu cliente, seu paciente, seu amiguinho (a) mais novo (a), seu irmão (a) menor, seu sobrinho (a), seu afilhado (a) ou aquele visinho (a) que está sempre andando de bicicleta quando você sai da garagem? Seu sorriso pode ser um presente, imagine uma palavra certa na hora certa! Seu poder de influência talvez seja muito maior do que você possa imaginar.

Crica Fonseca